14 lugares na Chapada Diamantina para você visitar sem guia - Atual Beleza

14 lugares na Chapada Diamantina para você visitar sem guia

Share This

14 lugares na Chapada Diamantina para você visitar sem guia

Alugue um bom carro e caia na estrada: nem todas as atrações exigem a contratação de guias


14 lugares na Chapada Diamantina para você visitar sem guia
14 lugares na Chapada Diamantina para você visitar sem guia

1. Chapada Diamantina, na Bahia - vista geral
14 lugares na Chapada Diamantina para você visitar sem guia
1. Morro do Pai Inácio (Lençóis) O Morro é o principal cartão postal da Chapada Diamantina. Para subir até o cume bastam 20 minutos de caminhada, 300 metros íngremes a partir do estacionamento. Do alto do morro é possível ver a Chapada até cansar a vista. Deixe a subida para o fim da tarde, para curtir o pôr do sol (é permitida entrada até 17h). 








2. Gruta Torrinha - Lençóis (BA)
14 lugares na Chapada Diamantina para você visitar sem guia
2. Gruta Torrinha (Lençóis) Uma das grutas mais ricas do Brasil! É possível chegar até ela sem guia, mas a circulação pelos três percursos da gruta só pode ser feita com auxílio de um monitor do local. Quem visita precisa ter algum preparo físico para se espremer entre blocos de rocha e andar agachado até salões com helictites, flores de aragonita e uma sequência de 60 metros de estalactites.








3. Chapada Diamantina Lapa Doce, Bahia
14 lugares na Chapada Diamantina para você visitar sem guia
3. Gruta Lapa Doce (Lençóis) Um paredão de 72 metros de altura esconde a boca da gruta. Para entrar é preciso fazer uma escalada íngreme, mas os espeleotemas que sugerem formações curiosas valem a pena. A visita só pode ser feita com guia contratado na entrada e dura 1h30. Há lanchonete e restaurante por quilo no local.







4. Gruta da Pratinha na Chapada Diamantina, Bahia
14 lugares na Chapada Diamantina para você visitar sem guia
4. Gruta da Pratinha (Lençóis) Entra-se na gruta caminhando por uma pequena trilha ou de tirolesa, que termina no rio de água azul clara que brota de dentro da Pratinha. Com auxílio de snorkel, é possível ver peixes e formações rochosas curiosas no túnel inundado.






5. Poço do Diabo, na Chapada Diamantina, Bahia
14 lugares na Chapada Diamantina para você visitar sem guia
5. Cachoeira Poço do Diabo (Lençóis) Há rapel e tirolesa para brincar no poço. A trilha para a cachoeira dura apenas 15 minutos. Ela começa ao lado de uma lanchonete na beira da estrada e não há placas. Quem tem boca... 






6. Cachoeira dos Mosquitos Chapada Diamantina Bahia
14 lugares na Chapada Diamantina para você visitar sem guia
6. Cachoeira dos Mosquitos (Lençóis) É preciso caminhar 15 minutos desde o estacionamento para chegar à Cachoeira dos Mosquitos. Ela fica próxima à Serra das Paridas, onde já três sítios arqueológicos com pinturas rupestres. 






Veja também: Destinos de luxo no Brasil: para sonhar e começar a economizar
7. Rua de Lençóis, cidade mais charmosa ao redor da Chapada, com muitos restaurantes e pousadas
14 lugares na Chapada Diamantina para você visitar sem guia
7. Cidade de Lençóis A porta de entrada da Chapada fica perto do aeroporto e tem acesso fácil pela BR-242. Diversos passeios pela região partem daqui. Os turistas que fazem passeios durante o dia se concentram à noite nos estabelecimentos das ruas da Baderna, das Pedras e na Praça Horácio Matos.






8. Andaraí Poço Azul Chapada Diamantina Bahia
14 lugares na Chapada Diamantina para você visitar sem guia
8. Poço Azul (Andaraí) Flutuar no poço cristalino que brota da caverna é uma experiência deliciosa, melhor ainda entre fevereiro e outubro, das 13h30 às 14h30, quando raios de sol a deixam a água com tonalidades azuis e revelam formações rochosas debaixo dágua.






9. Galeria Arte & Memória - Igatu (BA)
14 lugares na Chapada Diamantina para você visitar sem guia
9. Galeria Arte & Memória (Igatu) Ruínas de antigas casas de pedra e utensílios usados no garimpo entre 1930 e 1950 dividem espaço com esculturas de arte contemporânea.





10. Poço Encantado de Itaetê no Parque Nacional da Chapada Diamantina, Bahia, Brasil
<strong>10. <a href="http://viajeaqui.abril.com.br/estabelecimentos/br-ba-andarai-atracao-poco-encantado" target="_blank" rel="noopener">Poço Encantado</a> (Itaetê)</strong> Localizando dentro de uma caverna, o poço tem águas transparentes. Não é permitido entrar nas águas. O poço ganha tons azulados quando o sol incide por uma fenda, de abril a setembro, entre 10h e 12h.
10. Poço Encantado (Itaetê) Localizando dentro de uma caverna, o poço tem águas transparentes. Não é permitido entrar nas águas. O poço ganha tons azulados quando o sol incide por uma fenda, de abril a setembro, entre 10h e 12h.






11. Cachoeira da Fumaça na Chapada Diamantina Bahia
14 lugares na Chapada Diamantina para você visitar sem guia
11. Cachoeira da Fumaça (Vale do Capão) Uma fina cortina de água despenca por uma abertura do paredão e vira um spray antes mesmo de tocar o chão. A caminhada de 2h (6km) até o alto da cachoeira é chatinha, com muitas pedras, nenhuma sombra e terreno íngreme. Mas não desanime! Vale a pena.






12. Cachoeira do Riachinho Vale do Capão Chapada Diamantina Bahia Brasil
14 lugares na Chapada Diamantina para você visitar sem guia
12. Cachoeira do Riachinho (Vale do Capão)Uma queda de 8 metros desemboca em piscinas naturais depois de uma caminhada curtinha e fácil.






13. Vale do Capão na Bahia, Chapada Diamantina
14 lugares na Chapada Diamantina para você visitar sem guia
13. Caminhada pelo Vale do Capão A cidade em si tem atmosfera meio hippie e dela partem trekkings difíceis e belos pelo Vale do Paty (somente com guia, que pode ser contratado na cidade mesmo).





14. Lápides do Cemitério Bizantino, em Mucugê, construído no começo do século 19
<strong>14. <a href="http://viajeaqui.abril.com.br/estabelecimentos/br-ba-mucuge-atracao-cemiterio-bizantino" target="_blank" rel="noopener">Cemitério Bizantino</a> (<a href="http://viajeaqui.abril.com.br/cidades/br-ba-mucuge" target="_blank" rel="noopener">Mucugê</a>)</strong>Uma sequência de lápides brancas que imitam igrejas góticas compõem o Cemitério, na beira da estrada BA-142. As construções são do começo do século 19, quando surtos de varíola e cólera atingiram o lugar e sua influência bizantina vem dos compradores de diamantes de origem turca que viviam na região. Holofotes azuis colorem as lápides durante a noite. <em><a href="https://www.booking.com/searchresults.pt-br.html?aid=332455&lang=pt-br&sid=eedbe6de09e709d664615ac6f1b39a5d&sb=1&src=searchresults&src_elem=sb&error_url=https%3A%2F%2Fwww.booking.com%2Fsearchresults.pt-br.html%3Faid%3D332455%3Bsid%3Deedbe6de09e709d664615ac6f1b39a5d%3Bclass_interval%3D1%3Bdest_id%3D-651759%3Bdest_type%3Dcity%3Bdtdisc%3D0%3Bfrom_sf%3D1%3Bgroup_adults%3D2%3Bgroup_children%3D0%3Binac%3D0%3Bindex_postcard%3D0%3Blabel_click%3Dundef%3Bno_rooms%3D1%3Boffset%3D0%3Bpostcard%3D0%3Braw_dest_type%3Dcity%3Broom1%3DA%252CA%3Bsb_price_type%3Dtotal%3Bsearch_selected%3D1%3Bsrc%3Dsearchresults%3Bsrc_elem%3Dsb%3Bss%3DLen%25C3%25A7%25C3%25B3is%252C%2520%25E2%2580%258BBahia%252C%2520%25E2%2580%258BBrasil%3Bss_all%3D0%3Bss_raw%3DLen%25C3%25A7%25C3%25B3is%3Bssb%3Dempty%3Bsshis%3D0%3Bssne_untouched%3DMontanha%2520Pai%2520in%25C3%25A1cio%26%3B&ss=Mucug%C3%AA%2C+%E2%80%8BBahia%2C+%E2%80%8BBrasil&ssne=Len%C3%A7%C3%B3is&ssne_untouched=Len%C3%A7%C3%B3is&city=-651759&checkin_monthday=&checkin_month=&checkin_year=&checkout_monthday=&checkout_month=&checkout_year=&no_rooms=1&group_adults=2&group_children=0&highlighted_hotels=&from_sf=1&ss_raw=Mucug%C3%AA&ac_position=0&ac_langcode=xb&dest_id=-656323&dest_type=city&search_pageview_id=e4dc8f7cabb70505&search_selected=true&search_pageview_id=e4dc8f7cabb70505&ac_suggestion_list_length=5&ac_suggestion_theme_list_length=0" target="_blank" rel="noopener">Busque hospedagens em Mucugê no Booking.com</a></em>
14. Cemitério Bizantino (Mucugê)Uma sequência de lápides brancas que imitam igrejas góticas compõem o Cemitério, na beira da estrada BA-142. As construções são do começo do século 19, quando surtos de varíola e cólera atingiram o lugar e sua influência bizantina vem dos compradores de diamantes de origem turca que viviam na região. Holofotes azuis colorem as lápides durante a noite.







Cravada no coração da Bahia, a Chapada Diamantina abriga grutas, cavernas, cânions, piscinas naturais e algumas das mais altas cachoeiras do país, que caem das elevações de pedra monumentais, uma vista de encher os olhos. O Parque Nacional da Chapada Diamantina tem 1.520km² – uma enorme área silvestre sem sinalização e trilhas pouco demarcadas. É imprescindível contratar um guia para alguns dos passeios mais embrenhados dentro do parque, mas existem diversas atrações na região que podem ser visitadas por conta própria!
Para conhecer a chapada sem contratar pacotes de viagem, o ideal é alugar um carro 4×4 desde Salvador ou Vitória da Conquista e partir para as “capitais” da Chapada Diamantina: Lençóis é a maior delas, mas é possível se hospedar também em Mucugê, Andaraí, Ibicoara, Palmeiras, Rio de Contas e nas vilas de Igatu e Vale do Capão. Escolha as cidades de acordo com os passeios que quiser fazer para diminuir os tempos de ida e volta na estrada – o Parque é realmente grande!







Quando visitar a Chapada Diamantina?
Não existe época ruim pra ir à Chapada. De novembro a janeiro, as chuvas de verão podem tornar as trilhas mais enlameadas, mas as cachoeiras estarão mais exuberantes. Entre março e maio a chapada estará mais verde e, de maio a setembro, época de seca, provavelmente não vai chover nem um milímetro de água.
Para ver a luz incindir dentro da água azulada do Poço Encantado, uma das atrações mais estonteantes da Chapada, é preciso visitar o lugar entre os meses de abril a setembro, das 10h às 12h. Em qualquer época do ano, vá preparado para caminhar muito e não se esqueça de se hidratar bastante e passar protetor solar!
Fonte: Viagem e tirismo

Pages